Tudo que você precisa saber sobre a designer // Notícias // FFW – [Blog da Solange Pereira]





Clique aqui e ver mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero – entrando agora ganhe Moldes grátis para imprimir + aula de teste.

Quando se pensa qual artista fez o melhor encontro entre a arte e a moda, é impossível não pensar imediatamente em Elsa Schiaparelli. Nascida na Itália em 1890, desde nova já mostrava ser alguém irreverente e fora dos padrões. Sua família fazia parte da elite cultural da Itália. Sobrinha de Giovanni Schiaparelli, o  astrônomo que descobriu crateras em Marte, e filha, Celestino Schiaparelli, um especialista na cultura islâmica e reitor da Universidade de Roma, onde Elsa estudou filosofia. 

Por fazer parte da burguesia italiana, Elsa tinha sua vida muito controlada, o que fazia ela se sentir incompreendida. Desde a juventude tinha impasses com sua família, que foram fundamentais para o desenvolvimento da personalidade chocante da artista. Desde ser mandada ao convento por escrever um livro erótico à se mudar para Londres após ameaçar uma greve de fome.

Elsa Schiaparelli quando jovem

Elsa Schiaparelli quando jovem

Da Itália para Paris

Em 1922, após se casar com um Conde charlatão, que a abandonou grávida nos Estados Unidos, Schiap (como chamavam os íntimos) teve o apoio de sua amiga Gabrielle Picabia, esposa do artista surrealista Francis Picabia, para se mudar para Paris. Era uma década efervescente na municipio. Artistas surrealistas desenvolviam seus trabalhos na capital francesa e se reuniam para discutir assuntos culturais e sociais. Com esse pretexto, ela foi introduzida a nomes como Marcel Duchamp, Man Ray e ao estilista Paul Poiret.

O interesse pela arte e espiritismo foi o elemento necessário para ela entrar para o seleto grupo de surrealistas e poder trabalhar com eles. A ligação de negócios com Paul Poiret logo se transformou em amizade, fazendo com que Schiaparelli considerasse o costureiro um grande mentor. Poiret admirava o bom gosto da amiga e a estimulava a criar.

Foto: Studio Dorvyne (Photo by Atelier Dorvyne/ullstein bild via Getty Images)

Foto: Studio Dorvyne (Photo by Atelier Dorvyne/ullstein bild via Getty Images)

Em 1927, Schiaparelli lançou o histórico conjunto de tricô com estampa de laço em Trompe-l’oeil. Ele fazia parte da primeira coleção da artista, que chamou a atenção por ser uma das primeiras vezes que a habilidade de ilusão de ótica foi utilizada em uma roupa. A peça, que fez grande sucesso nos Estados Unidos, foi considerada pela Vogue, na época, uma obra de arte.

Primeiro tricô com a a técnica Trumpe d'oeil / Imagem: Reprodução (Schiaparelli)

Primeiro tricô com a a habilidade Trumpe d’oeil / Imagem: Reprodução (Schiaparelli)

Em 1931, Elsa abriu sua primeira loja, chamada Schiaparelli – Pour le Sport, de roupas para baile, praia e esqui. O impacto de suas criações entre a sociedade parisiense foi importante para o fortalecimento de sua marca, fazendo com que ela expandisse para uma loja maior, na imponente Place Vendôme. Assim foi fundada a casa Schiaparelli que conhecemos hoje.

A sua visão de moda conversava muito com a obsessão arquitetônica do avanço da construção de arranha-céus que acontecia nas últimas décadas. Ao afinar e propor uma silhueta reta, ela buscava não sensualizar a imagem da mulher. A assinatura da silhueta Schiaparelli era composta não apenas pelas roupas, mas também pelos acessórios – chapéus, luvas e jóias.

Fotografia da primeira loja de Schiaparelli

Fotografia da primeira loja de Schiaparelli / Foto: Reprodução

Revolucionária e visionária

Com o avanço na indústria têxtil na década de 1930, Schiaparelli tinha como objetivo trazer para sua marca as maiores inovações em termos de tecidos e aviamentos. Um exemplo disso foi quando, contra as regras da alta costura, inseriu zíper de nitrato de celulose em seus vestidos, deixando o aviamento exposto e visível para dar uma aparência futurista e mais funcionalidade para o cotidiano da mulher.  Ainda maravilhada com a possibilidade da utilização de materiais sintéticos na moda, em 1934 ela desenvolveu a Capa de Vidro, uma capa transparente feita de um material semelhante ao celofane, que hoje nos recorda uma capa de chuva.

Editorial para Harper's Bazaar sobre a capa de vidro / Foto: Reprodução

Editorial para Harper’s Bazaar sobre a capa de vidro / Foto: Reprodução

Nasce o Rosa-Choque

É de sua autoria a cor rosa-choque. O tom fazia parte da sua assinatura, aparecendo em detalhes de roupas e acessórios. Ela foi criada para a embalagem do perfume Shocking, em 1937, cujo frasco inovador foi feito sobre a silhueta da atriz Mae West, considerado o corpo mais voluptuoso de Hollywood. O perfume foi um sucesso de vendas, fazendo o nome e a cor se tornarem referência de Schiaparelli na cabeça das individuos até hoje.

A embalagem do perfume que batizou o pigmento rosado / Foto: Reprodução

A embalagem do perfume que batizou o pigmento rosado / Foto: Reprodução

A capa da Time e a rivalidade com Coco Chanel

A maneira que Elsa desenvolvia suas peças era muito revolucionária para a época, o que fez com que seu nome se espalhasse não só pela Europa, mas pelo globo todo. Isso rendeu à ela a capa da revista Time, em 1934, sendo a primeira individuo da moda a estampar a capa da prestigiada publicação, que a considerou uma das mais inteligentes estilistas da alta costura moderna. Na reportagem de seis páginas, sua rixa com Coco Chanel não passou despercebida. Por iniciarem com os mesmos materiais e dividir a preferência das clientes, havia uma espécie de rivalidade entre as duas que frequentemente se alfinetavam, se referindo uma à outra por “aquela costureira”. O fato é que quem mais se sentia atingida era Coco Chanel, pois Schiaparelli era extremamente focada em seu trabalho de criação.

Foto: Reprodução (Eternal Goddess)

Foto: Reprodução (Eternal Goddess)

Pioneira nas colaboração entre moda e arte

No ano de 1935, Elsa começa suas parcerias, que hoje são artefatos históricos e artísticos sobre o século XX. Entre suas colaborações mais célebres estão coleções com Jean Cocteau e Salvador Dali, sendo esse seu parceiro de criação de longa data.

Elsa Schiaparelli e Salvador Dalí / Foto: Reprodução (Schiaparelli)

Elsa Schiaparelli e Salvador Dalí / Foto: Reprodução (Schiaparelli)

Dalí foi um grande colaborador na criação das jóias, e um dos responsáveis por trazer com mais veemência o uso de jóias em botões, abotoaduras e fechos, dando um astral de opulência para as roupas  da estilista. Juntos, desenvolveram o Chapéu-Sapato (1936), feito em veludo preto; o vestido Lagosta (1937), uma peça de seda branca com uma grande lagosta pintada por Dalí na saia; o vestido de lágrimas (1938) feito para a coleção Circus, que era uma resposta ao avanço do fascismo e à guerra civil espanhola e o vestido esqueleto (1938), que trazia volumes acolchoados em forma de ossos.

Vestido Lagosta é um dos principais trabalhos de Elsa e Dalí. / Foto: Reprodução (Schiaparelli)

Vestido Lagosta é um dos princigenitors trabalhos de Elsa e Dalí. / Foto: Reprodução (Schiaparelli)

A Segunda Guerra e a pausa na marca

Com o advento da Segunda Guerra Mundial (1939) e seus impactos, Elsa fechou sua casa de moda, se mudou para Nova York e viveu com a receita das vendas de seu perfume Shocking e palestras.

Quando voltou para Paris em 1945, ela percebeu que o globo pós-guerra não era o mesmo. Suas coleções não eram mais tão impactantes como antes pois suas criações ultra modernas não faziam sentido numa era de austeridade. Aos poucos, ela sai de cena, desmontando seu império criativo.

Chapéu-sapato (1936) desenvolvido por Elsa Schiaparelli e Salvador Dali / Foto: Colagem (Gabriel Fusari)

Chapéu-sapato (1936) desenvolvido por Elsa Schiaparelli e Salvador Dali / Foto: Colagem (Gabriel Fusari)

 A despedida de Elsa da moda

Em 1951, ela encerra sua linha de alta costura e em 1954 fecha as portas da maison, cheia de dívidas e ofuscada pela volta de sua rival Coco Chanel.

Sua última aparição foi quando lançou o livro Shocking Life, a autobiografia com capa rosa choque, detalhando sua vida chocante, das passarelas para a história da moda e da arte.

Elsa Schiaparelli morreu em 13 de novembro de 1973, aos 83 anos, vítima de um AVC.

Foto da primeira edição do livro Shocking Life / Foto: Kurt Gibbert

Foto da primeira edição do livro Shocking Life, auto-biografia de Elsa Schiaparelli / Foto: Kurt Gibbert

A Schiaparelli hoje

Atualmente, a marca Schiaparelli pertence ao grupo Tod’s, e tem à frente da direção criativa o estilista norte-amerciano Daniel Roseberry, desde 2019. O texano colocou a marca de volta nos holofotes com suas criações exuberantes e maximalistas, se tornando o favorito de estrelas da música pop como Lady Gaga e Beyoncé.

Em 2022, o Museu de Artes Decorativas de Paris inaugurou uma exposição dedicada ao trabalho e legado de Elsa Schiaparelli.

Marca Schiaparelli hoje tem como diretor criativo Daniel Roseberry / Foto: Reprodução (Julien Vallon / Vogue Arabia)

Marca Schiaparelli hoje tem como diretor criativo Daniel Roseberry / Foto: Reprodução (Julien Vallon / Vogue Arabia)



Por , em 2022-07-18 21:05:35


Todos os direitos reservados do texto e imagens para Fonte ffw.uol.com.br / – Conteúdo de público domínio



Clique aqui e ver mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero. Clicando agora tuganha mini kit gratuito para imprimir + aula grátis.