Vacinação contra a covid leva esperança de dias melhores a idosos do DF – [Blog da Solange Pereira]

postado em 07/02/2021 06:00


(crédito: Ana Rayssa/CB/D.A Press)

A primeira semana de vacinação contra a covid-19 para a população acima de 80 anos foi marcada por um misto de emoções no Distrito Federal. O Correio acompanhou de perto a imunização desse grupo e presenciou a celebração dos idosos com filhos e netos ao receber a vacina. Lágrimas nos olhos e coração aliviado. Muitos definiram o momento como sinônimo de liberdade e de esperança por dias melhores. Cerca de 48 mil idosos receberam a primeira dose do imunizante na capital federal. A Secretaria de Saúde disponibilizou mais de 40 pontos de atendimento para a aplicação da vacina, alguns em modelo de drive-thru, para oferecer mais comodidade e segurança à população.

Entre os desejos para o fim da pandemia, reunir a família e abraçar sem medo foram unânimes. O retorno para as atividades de lazer e ocupações também entraram na lista, além da vontade de viajar para reencontrar amigos e parentes na cidade natal e conhecer outros países. Tudo isso será colocado em prática com todos devidamente imunizados e quando a crise sanitária estiver contida. Enquanto isso, os idosos comemoram a pequena picada de agulha e aguardam mais alegres a segunda dose da vacina. Houve registro de filas nos dois primeiros dias de aplicação.

Para Almerinda Gonçalves de Souza, 82 anos, por exemplo, o dia da vacinação foi também uma oportunidade de reencontrar familiares e amigas. Assim que chegou ao posto da 612 Sul e percebeu que estava vazio e sem filas, quis logo avisar para as pessoas que conhecia. “Eu adorei que foi rápido. Já estou ligando para as minhas amigas para avisar. Pena que não tem um boteco aqui perto para a gente sentar”, comentou a aposentada na última terça-feira, enquanto esperava a chegada de conhecidos ao local. Após o reencontro rápido, ela quer esperar mais um pouco para retomar as saídas e receber visitas. “Depois, quando estiver mais seguro, vou passear, ir ao cinema, chamar as minhas amigas para tomar um café”, enumera. Conheça outras histórias de alegria e de superação.

Que tudo fique bem

A mineira Maria de Lourdes Gonçalves da Silva, 92 anos, também comemorou a vacina. “Estou na esperança de estar protegida da doença, de poder tão logo reunir a família. Gosto muito de gente, de ver a casa cheia”, conta a dona de casa que veio para a capital, em 20 de dezembro de 1959, de caminhão, acompanhando o marido que trabalhou na construção de Brasília, com oito filhos pequenos. “Cheguei aqui e era tudo barro e terra, fomos morar no acampamento na Vila Planalto. Os meus filhos estudaram na primeira turma do Elefante Branco (Asa Sul)”, relembra ela, que trabalhou como costureira para complementar a renda familiar. Ao longo das nove décadas vividas, ela nunca imaginou que pudesse passar por uma pandemia como esta. Para este ano, um único desejo: “Que todo mundo fique bem”. Além de reunir a família novamente, ela almeja voltar a viajar assim que for seguro.

Homenagem em cordel

Aos 102 anos, Arnaldo Júlio Barbosa se emocionou ao receber a primeira dose do imunizante. O pioneiro, que saiu do município de Pedro Avelino (RN) para vir trabalhar como pedreiro na construção de Brasília, em 1959, não conteve as lágrimas na última quinta-feira, ao ser vacinado na Praça dos Direitos, em Ceilândia. “Vim tranquilo porque quis respeitar o meu tempo”, afirmou. Ao terminar a aplicação, resolveu recitar um poema para as profissionais da saúde que estavam no local e que também se emocionaram com o gesto. Apaixonado por repente e pela literatura em cordel, ele cria versos para toda a situação. “Sempre fui muito ligado à leitura. Agora, principalmente, estou parado. O que mais me diverte é ler e escrever. Sou técnico de músicas e repentista”, destaca. A arte tem salvado a saúde dele nesta pandemia. “Tenho muitas histórias, falo sobre tudo, natureza, situações cotidianas”, enumera. Para 2021, ele espera que a crise sanitária passe logo. “O conselho que dou é que todos devem tomar a dose da vacina porque é o que vai sustentar os dias felizes. Não ter medo, se conforma, porque tudo é feito dentro da medida”, ressalta. Com 14 filhos — 10 deles vivos—, sete tataranetos, 30 bisnetos e tantos netos que até perdeu a conta, ele vive um dia de cada vez, aproveitando cada momento. Pelas ruas da capital, relembra a época da construção. “Parece que nunca saí de lá. Isso é gostoso de sentir”, relata ele, que trabalhou na construção da Escola Parque na 508 Sul.

Respeito à ciência

Pioneiro, o proprietário da Banca da Árvore, na 108 Sul, Lourivaldo Marques, 83 anos, tomou a primeira dose da vacina contra a covid-19 na quarta-feira. “A gente tem que cumprir as ações sociais”, afirma. Com 10 filhos, 18 netos e nove bisnetos, ele diz que não perdeu nenhum parente por conta do vírus. “Nunca tive medo, mas tenho muita fé. Fui vacinar por uma questão social, de respeitar as normas das autoridades de saúde. E não tive gripe nenhuma vez. A minha alimentação com vitamina com couve, água de coco, mel e limão não me faltou no meu dia a dia”, brinca. “Meu ponto de vista é que ainda existem pessoas com sensibilidade para lutar contra o novo coronavírus. Acredito muito nas autoridades de saúde que estão aí para nos proteger neste momento”, diz. Ele deixa ainda um aviso para os clientes sobre as regras de segurança adotadas no estabelecimento caso queiram visitar a banca durante a crise sanitária. “Sem máscara, não entra na banca. Se sentar à mesa, onde coloco álcool em gel em cada uma, tem que ter 2 metros de distância entre as pessoas. A primeira coisa que faço é colocar o álcool em gel na mão do cliente. Zelando pelo cliente, estou zelando pela minha freguesia, mostrando que tenho educação. E a sociedade precisa de educação, porque significa respeito, amor ao próximo”, conclui o dono da primeira banca de Brasília, fundada em 13 de fevereiro de 1960.

Por dias melhores

Natural de Belém do Pará, o comerciante Galvani Torres Cuoco, 81, torce para a imunização em massa e que a pandemia passe logo. Para ele, o último ano foi difícil, principalmente no negócio. Ele, que veio para a capital para trabalhar como funcionário público no Instituto Nacional de Previdência Social (INPS) – atual Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) —, aposentou-se em 1992 e, desde 1996, tem uma lanchonete na 105 Sul. “Só o salário de aposentado não dá”, ressalta. Após receber a primeira dose do imunizante, conta que fez a parte dele para evitar a doença e não passar para as outras pessoas. “Esse vírus é perigoso”, pontua. Apaixonado por viver em Brasília, Galvani Torres afirma que não tem vontade de morar em outro lugar. “Não deixaria Brasília por nada no mundo. Gosto muito daqui”, ressalta ele, que está na capital há 52 anos. Além da lanchonete, ele tocou o negócio como vendedor de banca de revista na 110 Sul. O trato com as pessoas é algo que faz parte do dia a dia. Para 2021, Galvani espera que a situação melhore e que o negócio retome com mais fôlego e mais clientes. Mesmo durante a pandemia, ele não deixou de trabalhar e, com a receita mais baixa, segurou as pontas para não fechar a lanchonete.

Descobertas na pandemia

 (crédito: LUIS TAJES                          )


crédito: LUIS TAJES

Aos 80 anos, Maria José Carneiro vive como se não houvesse amanhã. Desde março, ela não sai de casa devido à pandemia. A crise sanitária que atingiu o mundo inteiro impossibilitou a aposentada de fazer o que gostava, como ir às missas na Igreja Católica e se reunir com as amigas para bater papo e tomar um chá. “Não coloquei o pé para fora de casa, mas fiquei muito agoniada, estressada. Deu até saudade de ir para as consultas”, desabafa. No entanto, ela conta que a pandemia possibilitou descobertas e novas experiências. “Comecei a bordar, a costurar e até vi o quanto que sou boa em limpar a casa. Tudo isso distraía a minha mente”, diz. Apesar disso, a saudade de ir à missa não cessava. “Liguei várias vezes para o padre para dizer que estava sentindo falta. Depois que reabriu os templos, ele me orientou a ir nas terças e quintas-feiras, pois era mais vazio”, completou. Na igreja, Maria integra os grupos de oração, atendimento psicológico e tratamento contra a depressão. No grande dia de se vacinar contra a covid-19, o medo bateu. “Sou hipertensa, tenho colesterol alto e achei que poderia causar alergia, mas minha médica tirou a cisma”, brincou. Agora, vacinada, ela espera voltar às atividades normais em breve. “É um sentimento de alívio. Fiquei com muito medo de me infectar. Mas agora é um momento de felicidade”, finalizou a aposentada, que foi ao posto do Cruzeiro para receber a primeira dose do imunizante acompanhada da filha Patrícia Oliveira.

A vontade de viajar

 (crédito: Ana Rayssa/CB/D.A Press)


crédito: Ana Rayssa/CB/D.A Press

No posto da 612 Sul, a aposentada Eliete Pinheiro Pascoal, 80, recebeu a primeira dose da vacina da farmacêutica AstraZeneca/Oxford. Emocionada, ela agradeceu. “Essa doença (covid-19) trouxe muito sofrimento, perdi muitos amigos. Agora, com a vacina, a gente tem esperança de que reduzam os números de casos e de mortes pelo vírus”, destaca. O período em reclusão foi difícil para ela, que teve que se adaptar ao momento. “O medo que nos prendeu em casa. As estatísticas não deixam dúvidas sobre a gravidade da doença. Agora, é continuar com as medidas de proteção, com o uso de máscara e os cuidados sanitários. Sabemos que a vacina é mais uma barreira, mas a doença ainda está aí”, ressalta a carioca. Assim que for seguro, ela quer viajar para o Rio de Janeiro, além de, finalmente, conseguir ir para a Europa. A viagem para o exterior estava marcada para setembro de 2020, como um presente de um dos oito netos dela, mas precisou ser reagendada por conta da pandemia. “Espero que no fim do ano a gente consiga ir”, conta. Sobre as reuniões de família, Eliete explica que foram criadas algumas estratégias para não perder o contato e resguardar a saúde de todos. “Criamos núcleos familiares e nos reunimos em pequenos grupos, com distanciamento e sem abraços”, pontua.

Volta à ativa

 (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press             )


crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

Para Inês Mauricia Pereira, 83, a falta de “sair para bater perna” e ir para a hidroginástica foi o que mais incomodou nos últimos 10 meses. “Eu gosto de sair muito, de comprar, de viajar. Faço hidroginástica e, com a pandemia, as aulas foram suspensas. Sinto falta disso. Quero muito poder voltar a fazer as minhas atividades”, ressalta. No ano passado, a aposentada teve o novo coronavírus. Ela, mais dois adultos e duas crianças tiveram os sintomas da doença. Ninguém precisou ser hospitalizado. “Eu resisti à covid-19 e não precisei ser intubada. Agora, com a vacina, ganhei mais segurança contra o vírus”, relata. Foram duas semanas com dores no corpo e enjoos, além da febre. “Só queria dormir, não comia direito. A dor nas pernas era tão grande que não conseguia andar. Mas fui muito bem cuidada e sou grata por isso”, afirma. Apesar do núcleo familiar ter se recuperado da infecção, seis pessoas próximas morreram vítimas da doença, entre idosos e jovens. Para ela, a vacina representa esperança de saúde. “A gente tem que confiar na vacina, as coisas vão melhorar”, destaca. Natural de João Pessoa, ela chegou à capital, em 1975, para trabalhar na Imprensa Nacional, como artista de gráfica. Aposentou-se, em 1996, e gosta de aproveitar a vida e os momentos com a família e os amigos. “Tenho saudades dos amigos, do retiro na igreja, do carnaval, que neste ano não vai ter. Espero que, no próximo ano, a situação melhore”, pondera.

Por , em 2021-02-07 06:00:00


Fonte www.correiobraziliense.com.br



Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero. Clicando agora você ganha mini kit gratuito para imprimir + aula grátis.

Deixe um comentário