De bailes on-line a megafestas virtuais, as opções para um Réveillon em casa


Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero – entrando agora ganhe Moldes grátis para imprimir + aula de teste.

O produtor musical Zé Gonzales, também conhecido como DJ Zegon, decidiu terminar o ano como passou boa parte dos fins de semana de 2020: comandando uma festa virtual direto de seu apartamento em São Paulo. Colocará no ar, a partir da meia-noite, um “baile da virada” 100% online. Assim como Zegon (cuja esposa e família estão em Minas Gerais), são muitos os brasileiros separados de familiares e amigos que tiveram os planos de aglomeração suspensos por causa do recrudescimento da pandemia de Covid-19. O jeito é apelar para aquilo que foi a salvação em muitas noites de isolamento: a internet.

— Pensei: ‘Vou sentar e assistir televisão’? Vou tocar e ter a companhia do pessoal que esteve comigo nos fins de semana do ano inteiro. Farei um set audiovisual, para mexer com a memória afetiva. Terá disco dos anos 1970, rock dos 1980, hip hop dos 1990… Devo ir até umas 3h da manhã — diz o paulistano, que fará a transmissão pelo canal twitch.tv/djzegon e, no dia seguinte, comanda o after-party do Baile do Ganja, de Daniel Ganjaman, seu companheiro de festa na quarentena, também na Twitch, a rede de gamers que virou a favorita dos DJs.

Retrospectiva 2020:Música entra na era das lives como resposta para o isolamento

A proposta dele é entreter pessoas como a economista carioca Julia Calvão, de 42 anos, que optou por ficar em casa com o marido e o filho de 6 e não se reunir com a família desta vez. Moradora do Flamengo, ela nem está com coragem de ir ao Aterro e preferiu marcar com alguns parentes uma chamada de vídeo.

— Vamos experimentar esse formato por Zoom. Como é uma experiência, seguiremos o fluxo e ver o que acontecerá. É um jeito de comemorar com novos protocolos, entendendo que a tradicional ida à praia não será possível. Vamos tentar estar juntos sem riscos — diz a economista.

DJ Zegon fará baile na Twitch Foto: Divulgação

 

A ideia de Julia e de tantos outros de não colocar os pés na rua vai ao encontro das orientações sanitárias, mas acaba sendo devastadora sobre o setor de eventos. De acordo com Pedro Guimarães, presidente do Apresenta Rio, entidade que reúne representantes do segmento do entretenimento, ainda é difícil mensurar o abalo que o cancelamento de tantas festas traz à economia do estado. Mas só a suspensão do réveillon oficial da cidade gera um prejuízo de R$ 1 bilhão. Dói no bolso, principalmente de quem garante o sustento da família por meio da diversão alheia. Mas faz todos também refletirem, independentemente da profissão. Que ano há de ser esse que começa com tanta incerteza, cautela e, em vez dos tradicionais abraços da virada, saudações contidas, com cotovelo?

Para o psicólogo e pesquisador da comunicação humana Cláudio Paixão, professor da Universidade Federal de Minas Gerais, esse momento, na verdade, pode ser muito mais positivo emocionalmente do que pode parecer numa primeira análise.

— É carregado de simbolismo de renovação e intimidade, a que podemos dar um novo significado. Em vez de sairmos para uma grande festa, é hora de ficar com aquela pessoa que esteve ao nosso lado o ano todo. Ou até do desconhecido em nós: de reconhecermos em nosso interior alguma coisa que não tenhamos dado atenção. É algo especial para se viver — diz Paixão.

Réveillon do Rio:Confira as ruas bloqueadas e as novas regras para evitar aglomerações

É o que pensa a designer carioca Clarissa Romancini, que está reunida com mais cinco amigos numa casa em Itamambuca (SP). Todos ficaram quarentenados antes da viagem para tentar minimizar possíveis contaminações e têm brincado que a passagem de 2020 será do tipo “menores melhores festas”.

— Faremos decoração temática, temos adereços. Será animado. Não é preciso muita gente para que seja especial — diz ela.

Mas se a ideia é se sentir no meio de uma multidão, opções virtuais não faltam. Uma delas é a festa Troop. Criada em Florianópolis, ela foi transportada para a rede em virtude da pandemia e arranjou abrigo numa plataforma chamada Shotgun. Uma das DJ’s da festa é a carioca Marta Supernova, que explica como funciona a interatividade:

— Dá para criar sala privada, pode-se usar câmera nessas salas. E tem um recurso bacana chamado Wall of Fame, que te grava por 15 segundos e você pode aparecer no telão atrás do DJ — explica Marta, que vai tocar um set de house music, com uma música “mais alegre, mais melódica, que funciona dentro de casa”, a partir de 21h.
 

A DJ carioca Marta Supernova será atração do réveillon da festa Troop Foto: Divulgação
A DJ carioca Marta Supernova será atração do réveillon da festa Troop Foto: Divulgação

Porém, o esquema mais grandioso, a Copacabana dos eventos virtuais, é a versão de ano novo do festival Tomorrowland. Depois do cancelamento da edição física de inverno na Bélgica, em março, os organizadores pensaram na necessidade de oferecer a experiência da festa on-line e, por que não?, no Réveillon. Os shows acontecem em quatro palcos, numa plataforma exclusivamente criada para o Tomorrowland, entre 20h e 3h da manhã. A promessa é de queima de fogos à meia-noite do Brasil, e os ingressos custam entre 20 a 50 euros.

— Não somos um evento tradicional de transmissão ao vivo com DJs num estúdio ou em suas casas e espectadores em uma caixa de bate-papo. Em vez disso, é uma forma totalmente única de entretenimento visual. Logisticamente, isso significa que tivemos que pesquisar bastante sobre as tecnologias mais recentes — disse Debby Wilmsen, diretora do festival, por e-mail.

Monte seu setlist

DJs e produtores musicais listam o que não pode faltar na playlist da virada em casa

Iasmin Turbininha

– MC Myllena feat. Iasmin Turbininha: “Eu nunca fui santa”

– MC 2jhow e DJ Rennan da Penha: “Talarica”

– Kevin O Chris: “Evoluiu”

– Cardi B e Bruno Mars: “Please me”

– Ludmilla e Marvilla: “Não é por maldade”

Daniel Ganjaman

– Anderson Paak: “Lockdown”

– Rincon Sapiência: “Quarentena”

– Goldlink e Ari Lennox: “Sorrow, tears and blood”

– Skip Marley e H.E.R: “ Slow Down”

– Joey Bada$$: “Shine”

Zegon

– Bill Conti: “Gonna Fly Now”

– The Weeknd: “Save your tears”

– Kaytranada: “Go DJ”

– Led Zeppelin: “Whole Lotta Love”

– Evelyn Champagne King: “Love Comedown”

Marta Supernova

– DJ Lycox: “Babygirl”

-MinaeMinae: “Nackenwirbel”

-Theo Parrish: “This is for you”

– Overmono: “Everything U Need”

– Parris: “Harajuku Girls”

Carlos Albuquerque (Calbuque)

– Janet Kay: “Silly Games”

– Sault: “Stronger”

– Pinduca: “Vamos farrear”

– Samba Negra: “Eberebijara”

– Loyle Carner e Rebel Kleff: “You don’t know”

Show da virada terá Wesley Safadão, Dilsinho, Jota Quest, Luan Santana, Ivete Santalo e IZA Foto: Divulgação/TV Globo/Paulo Belote
Show da virada terá Wesley Safadão, Dilsinho, Jota Quest, Luan Santana, Ivete Santalo e IZA Foto: Divulgação/TV Globo/Paulo Belote

 

NO SOFÁ

O que vai rolar na TV para quem não quer muito esforço

Multishow
TVZ faz a sua festa (a partir das 18h30m): o programa de clipes reúne as músicas que marcaram a última década.

Bis
Metallica: S&M2 (22h30m): pela primeira vez, a TV brasileira exibe o show do álbum ao vivo da banda gravado com a Orquestra Sinfônica de São Francisco.

U2 Experience Live In Berlin 2018 (0h): a passagem para 2021 é com a banda irlandesa em show gravado na Alemanha.

TV Globo
Show da Virada (22h50m): Reexibição do especial do último ano, que teve IZA, Iveste Sangalo, Wesley Safadão e vários outros artistas.

TV Record
Retrospectiva dos famosos (21h): reapresentação do programa com os destaques da vida pessoal e carreira de astros nacionais e internacionais.

Especial Canta Comigo Teen (22h45m): Os melhores momentos do reality show musical infanto-juvenil, exibido em 2020, num especial para virar o ano.

Por Talita Duvanel , em 2020-12-30 03:30:12


Fonte oglobo.globo.com

Deixe um comentário