Difícil foi dormir à noite, por causa da fumaça e do medo, relatam moradores – Capital – [Blog da Solange Pereira]

Cleidemar Silvino Correia, 64 anos, moradora de rua lateral do mercado, relata terror durante a noite; nos fundos, ainda é provável ver a fumaça (Foto: Henrique Kawaminami)

Respirar foi difícil durante a noite, seja por razão da fumaça que invadiu as casas no entorno do Atacadão da Avenida Duque de Caxias ou pela sofreguidão, temor do pior. A primeira coisa que alguns dos moradores do Jardim Imá e Santo Antônio fizeram nesta manhã foi ir até o mercado para ver com os próprios olhos o cenário de ruína.

“Era um lume mais cocuruto que as casas. Era um cenário de guerra, só pensei nas pessoas que estavam lá dentro. O povo gritava, desliga a luz que vai explodir. O estrondo das coisas estourando era desesperador e não poder fazer zero para ajudar naquela situação foi muito triste”, conta a aposentada, Cleidemar Silvino Correia, 64 anos, moradora da Rua Promissão, no Bairro Santo Antônio, há 31 anos.

O serralheiro Aloisio da Silva Lopes, 42 anos, mora no Jardim Imá há 20 anos, lamenta o prejuízo material e para os empregados. “A gente fica triste com essa perda. Foi mal-parecido, essa noite quase ninguém dormiu, o cheiro de fumaça era muito potente. Mas, temos de pensar nas pessoas que trabalham aí”.

Estrutura cedeu na parte dos fundos do atacadista.
Estrutura cedeu na segmento dos fundos do atacadista.

Darci de Freitas Promanação, de 48 anos, também mora no Jardim Imá e conta que a fumaça tomou conta de todos os cômodos da morada. “Deve ter prejudicado a saúde de muita gente. Mas, lamentamos o que aconteceu. Espero que se recuperem logo”.

A modista Clarisse Ramai, de 69 anos, foi quem relatou mais problemas por razão da fumaça. “Foi desesperador, porque a gente não espera que uma coisa dessas aconteça perto da gente. A fumaça atrapalhou bastante, tive dificuldade para respirar, me senti mais pesada. Hoje, de manhã saiu até sangue no nariz e estou com coriza que não estava antes”.

No local, funcionários conversam com bombeiros sobre prejuízos na frente da montanha de material destruído (Foto: Henrique Kawaminami)
No sítio, funcionários conversam com bombeiros sobre prejuízos na frente da serra de material destruído (Foto: Henrique Kawaminami)

O incêndio –  O combate ao incêndio já dura mais de 12 horas. As chamas começaram pouco antes das 17h de ontem e até às 5h30, 360 milénio litros de chuva havia sido usados para extinguir o lume. No recinto, montanhas de material destruído pelo lume. Bombeiros ainda trabalham no rescaldo, porque  focos pequenos dentro da unidade ainda não foram extintos.

O prejuízo é de milhões. Alguns funcionários uniformizados estão no sítio, mas dizem que não estão autorizados a dar entrevista.

Na Duque de Caxias, pessoas olham estrago feito pelo fogo no Atacadão.
Na Duque de Caxias, pessoas olham estrago feito pelo lume no Atacadão.

Por , em 2020-09-14 09:30:00


Manadeira www.campograndenews.com.br



Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero. Clicando agora você ganha mini kit gratuito para imprimir + aula grátis.

Deixe um comentário