Excesso de candidatos dificulta coligação de centro-direita em Porto Alegre – [Blog da Solange Pereira]

O lançamento da pré-candidatura do deputado estadual Sebastião Melo (MDB) à prefeitura de Porto Contente nas redes sociais na manhã desta segunda-feira teve impacto inesperado nas articulações mantidas entre MDB, PP, PTB e DEM para a disputa. Ainda na manhã desta segunda, em seguida o movimento do MDB, o pré-candidato do PTB à prefeitura, o ex-prefeito José Fortunati, admitiu que as quatro siglas vem insistindo em permanecer com a cabeça da placa, mas disse que a escolha precisa ser baseada em critérios específicos e que só será candidato se for a prefeito. Além de Melo e de Fortunati, o PP apresentou o vice-prefeito Gustavo Paim uma vez que pré-candidato e, o DEM, a vereadora Nádia Gerhard.  

“Acordamos de buscar o nome que terá as melhores condições de fazer o enfrentamento. E, para isto, é necessário fazer pesquisas quantitativas e qualitativas. Nossa insistência é com critério. Se eu não for o melhor nome para fazer leste enfrentamento, não serei empecilho. E se eu não for cabeça de placa, nem serei candidato. É um problema a menos”, apontou, em referência ao traje de que existem somente duas vagas na placa, e que, se quiserem de traje fechar uma coligação dos quatro, dois dos partidos terão que terebrar mão da presença na majoritária. Questionado sobre se a coligação pode “se dividir”, o petebista foi objetivo: “Não precisa ser necessariamente uma coligação dos quatro. Estamos tentando. A gente costura, conversa bastante, mas daqui a pouco pode não dar.”

O movimento de Melo, que parece uma antecipação dos emedebistas, já que as quatro siglas, em tese, trabalham em conjunto por um entendimento para sentenciar, no supremo até o final do mês, o nome a encabeçar uma placa apoiada por todas, tem outra avaliação nos bastidores. Nela, o lançamento da pré-candidatura do deputado é indicado uma vez que uma reação do MDB a uma série de ações que vem se desenrolando nas últimas semanas, e com potencial para fazer com que a pretendida coligação se transforme em pelo menos duas chapas diferentes.

Entre todos os movimentos, o que mais preocupa o MDB é a aproximação cada vez maior entre PTB e DEM no cenário municipal e o protagonismo de Fortunati. Mas há os acenos de Paim de forma individual ao PRTB. E muitas dúvidas sobre a estratégia (apoiada somente por secção dos negociadores dos quatro partidos) de utilizar o processo de impeachment acessível na Câmara de Vereadores para desgastar o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB). O prefeito é pré-candidato à reeleição e as siglas, até cá, pretendem disputar com ele a mesma fatia do eleitorado no núcleo, na centro-direita e na direita. Emedebistas do entorno de Melo temem que Marchezan possa lucrar ainda mais visibilidade e transpor fortalecido. E, entre todos os partidos, já há quem considere que a influência da discussão entre a prefeitura e as entidades empresariais sobre o processo de impeachment precisa ser barrada, porque há o risco concreto de que o rito seja visto uma vez que uma espécie de ameaço sobre o prefeito para forçá-lo a atender reivindicações.

Na tramitação do impeachment e fora dela, não faltam motivos para o MDB se preocupar com a sintonia entre PTB e DEM, que vem sendo destacada por lideranças de ambas as siglas. É pública a afinidade entre o presidente do DEM em Porto Contente e da Câmara de Vereadores, Reginaldo Pujol, e as lideranças petebistas. Mostrando força, as bancadas dos dois partidos na Câmara de Vereadores fizeram enunciação conjunta de voto pela admissibilidade do processo de impeachment, o que, de saída, garantiu 10 dos 18 votos necessários para sua aprovação

O PTB, com seis cadeiras, tem a maior bancada, e com dois assentos a mais que as segundas colocadas (DEM e PT, com quatro cada). “O DEM tem uma relação muito boa, de afinidade, amizade e parceria com os parlamentares do PTB. Na Câmara existe muito esta aproximação”, assinala o líder da bancada do DEM, vereador Pablo Mendes Ribeiro. Mendes Ribeiro garante que o partido está focado em trabalhar para que Nádia encabece uma placa na corrida ao Paço, mas também enaltece a capacidade de aglutinação de Fortunati. “Uma vez que prefeito, manteve um governo de coligação, no qual os partidos, todos, cresceram e se fortaleceram.”

A chegada à disputa de Fortunati, que por duas vezes, quando integrava o PDT, fez dobradinha com o MDB no comando da Capital (primeiro uma vez que vice de José Fogaça e depois, uma vez que prefeito, com Melo de vice), foi entendida inicialmente uma vez que uma estratégia do PTB para manter bancada na Câmara de Vereadores e se fortalecer na formação de uma coligação mirando a ocupação de espaços importantes em uma eventual futura governo, um formato que o partido vem repetindo com sucesso ao longo dos anos na Capital.

Mas sucessivas negociações no percurso das últimas semanas e o traje de Fortunati apresentar bom desempenho em sondagens internas realizadas por diferentes partidos, agora geram preocupação. A teoria inicial, de o MDB formar uma dobradinha com o PP de vice com outro nome que não Paim também enfrentou maior resistência do que o esperado. E a manutenção de conversas do vice com atores novos na corrida, ativistas de direita, também é motivo de alerta. Por enquanto, Melo ganhou o pedestal do SD e mantém conversas também com o Cidadania, que tem uma vez que pré-candidata a deputada estadual Any Ortiz.

 



Por , em 2020-08-10 14:19:06


Manadeira www.correiodopovo.com.br



Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero. Clicando agora você ganha mini kit gratuito para imprimir + aula grátis.

Deixe um comentário