Michelly X aposta em calcinhas trans, máscaras e moletom na pandemia – [Blog da Solange Pereira]

A pandemia afetou não só os artistas, impossibilitados de fazer shows com público, mas toda uma engrenagem que girava ao volta. Quem trabalhava para fazer eles brilharem em cima do palco, porquê Michelly X, também teve que se reinventar. A estilista transformou seu ateliê em um laboratório e passou a atender um público que não via a hora de ter peças assinadas por ela.

“Trabalho muito com o público LGBTQ+ e começaram a me pedir calcinhas para transexuais. Tem pouca gente no mercado que faz uma calcinha boa”, conta Michelly, que viu a chance de desenvolver as lingeries na pausa provocada pela pandemia do coronavírus.

Uma vez que é a calcinha trans?

  • Tem o tecido mais reforçado
  • Uma tira maior de tecido no fundo acomoda a genitália
  • O fundo vira um fio dental e prende tudo com segurança
Imagem: Divulgação

Eu sou trans e a Alê, que trabalha comigo, também. Ela acabou de fazer a cirurgia de redesignação, mas antes já fazia as próprias calcinhas. Uma vez que ela também é modelista, temos todos os truques para a peça perfeita.

Quanto custa?

As calcinhas são vendidas por R$ 50 cada ou em kits com cinco peças entregues em uma caixinha.

As calcinhas fizeram tanto sucesso que as encomendas estão chegando dentro e fora do Brasil.

Várias meninas que eu conheço do mundo todo pediram. Enviei para a Europa, para os Estados Unidos, vários lugares

As costuras que surgiram porquê uma solução para as despesas do ateliê, que atualmente conta com três funcionários, mas chega a funcionar até com 12 em idade de Carnaval, vão continuar mesmo com a volta à normalidade. O próximo passo de Michelly deve ser fabricar biquínis com a mesma qualidade e conforto.

Para além das calcinhas

Michelly X também aproveitou a pausa nos figurinos para botar em prática um projecto idoso: fabricar uma risca casual. O que tem? Jaquetas jeans e tiaras bordadas com suas famosas pedrarias e cristais, moletons com o logo dela, camisetas e máscaras, o item mais procurado hoje em dia.

A voga casual de Michelly X

Uma roupa que faço para a Ivete Sangalo inteira de cristal é extremamente rosto. Logo eu não tinha alguma coisa mais simples para o público. Tem gente que quer uma máscara só porque é da minha marca

O item mais alcançável da risca casual que custa R$ 20.

Os fãs de Xuxa, que já seguiam a estilista da rainha dos baixinhos no Instagram, também viraram clientes. “Notei uma subida de pedidos da Argentina, onde a Xuxa é muito famosa. Os fãs dela me seguem e também querem ter peças com a minha marca.”

costura - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Toda empresa tinha que ter a obrigação de contratar homens e mulheres trans. É uma questão de inclusão. Michelly X, estilista

Outra vaga que Michelly X fez questão de embarcar foram as lives, principalmente as que tratavam de visibilidade trans. No tempo que ganhou durante a pandemia, ela quis dividir seu fulgor com outras profissionais e transexuais mais antigas, que abriram as portas para todas elas. A mudança de foco foi uma oportunidade de trocar ideias e publicar histórias de mulheres bem-sucedidas.

Muita gente acha que trans só trabalha porquê cabeleireira, maquiadora, estilista ou pequena de programa. E não. Existem várias trans que são médicas, advogadas, que estão em outras áreas

Michelly X - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

A estilista também segue ajudando quem que não teve o mesmo escora que ela encontrou em sua família. Michelly X emprestou algumas de suas icônicas criações para a Moradia Florescer, que acolhe mulheres transexuais e oferece oficinas de costura.

Muitas meninas trans que estão costurando hoje falam que eu sou uma inspiração. É gratificante ouvir isso.

Por , em 2020-07-30 04:00:00


Natividade www.bol.uol.com.br



Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero. Clicando agora você ganha mini kit gratuito para imprimir + aula grátis.

Deixe um comentário