Prefeitura cadastra profissionais de costura para confecção de máscaras de tecido – [Blog da Solange Pereira]

A Prefeitura de Campinas vai cadastrar profissionais de costura que tenham CNPJ ou MEI para fazer máscaras caseiras. Essa pode ser uma oportunidade de trabalho para muitas pessoas que perderam renda em razão da quarentena, e as máscaras deverão ser distribuídas à população.

A partir desta quinta-feira, 23 de abril, os profissionais podem se inscrever no site da prefeitura www.campinas.sp.gov.br inserindo informações solicitadas, entre elas a capacidade de produção.

Os contratados temporariamente deverão seguir a orientação da Secretaria de Saúde para que a confecção das máscaras siga uma padronização.

Porquê usar as máscaras de proteção de tecido

No hotsite da prefeitura de Campinas sobre a Covid-19 constam algumas informações sobre as máscaras de tecido para que o uso não se torne uma falsa proteção e/ou uma manancial potencial de contaminação, as orientações inferior devem ser rigorosamente seguidas:

  1. Comprar ou confeccionar máscaras de tecido, em classe dupla, utilizando os tecidos recomendados, em ordem decrescente de capacidade de filtragem de partículas virais: tricoline, cotton (formado de poliéster 55% e algodão 45%) e tecido de algodão (100% algodão) – podem ser utilizadas camisetas, panos de prato, entre outros tecidos facilmente encontrados em moradia.
  2. Não compartilhar as máscaras. Estas devem ser de uso individual, cada pessoa da família deve ter as suas.
  3. Lavar a máscara de tecido antes do primeiro uso e com frequência depois cada uso.
  4. Cuidados com a higiene e armazenamento:
  • imergir em solução de hipoclorito (na concentração de 0,04% – solução de 10ml de chuva sanitária + 490ml de chuva) por 30 minutos.
  • enxaguar a máscara e lavar com chuva e sabão.
  • permitir secagem completa (preferencialmente ao sol).
  • passar com ferro.
  • vigilar em sacos plásticos limpos, embaladas individualmente.
  1. Higienizar as mãos antes da colocação da máscara de tecido, para descontaminação das mãos e redução de risco de infecção no momento do ajuste da mesma no rosto.
  2. Colocar a máscara cuidadosamente para tapulhar a boca e o nariz, ajustando com segurança para minimizar os espaços entre a face a máscara.
  3. Evitar tocar na segmento da frente da máscara, enquanto estiver em uso. Se o fizer, realizar imediatamente a saneamento das mãos (lavagem com chuva e sabão ou fricção com álcool 70%).
  4. Nunca posicionar a máscara de tecido no pescoço, isso pode levar a contaminação da mesma no contato das mãos previamente contaminadas. Além de ser uma região de maior transpiração, favorecendo a umidade no tecido.
  5. Remover a máscara pelas tiras / elásticos laterais, nunca tocando na frente da máscara. Isso porque a face externa da máscara pode estar contaminada por toque das mãos previamente contaminadas e/ou em aproximação de pessoas infectadas, em distâncias menores de 1 metro.
  6. Realizar a saneamento das mãos (lavagem com chuva e sabão ou fricção com álcool 70%), depois a remoção e sempre que tocar inadvertidamente em uma máscara usada.
  7. Substituir a máscara por outra máscara limpa e seca a cada duas horas, ou mal se tornar suja ou úmida. Providenciar a guarda em embalagem hermeticamente fechada até que seja verosímil subordinar ao processo de lavagem.
  8. Levar um número de máscaras de tecido adequado para o tempo que permanecer fora de moradia, uma unidade a cada duas horas, de forma protegida contra contaminação externa.
  9. Preferencialmente, depois a retirada da máscara de tecido, não recolocá-la pois pode ter a contaminação da segmento de dentro durante a remoção. Optar por outra máscara higienizada.
  10. Reparar para o intensidade de desgaste do tecido, recomendando-se a não utilização quando apresentar rasgos e/ou áreas mais finas.

Recomendação do uso de máscaras

A Prefeitura de Campinas publicou no Quotidiano Solene desta quarta-feira, 22 de abril, decreto nº 20.840 de 20 de abril, que alterou o uso de máscaras em Campinas.  De combinação com a publicação, os serviços essenciais, porquê farmácias e supermercados, devem recomendar o uso de máscaras de proteção aos clientes.

Anteriormente, estava previsto que esses serviços poderiam impedir o atendimento de clientes que não estivessem usando máscaras de proteção.

No entanto, as farmácias e supermercados devem fornecer e ordenar o uso desses equipamentos de proteção para os funcionários que atuam no atendimento ao público, além de álcool em gel para uso dos clientes.  “Pedimos para que as pessoas nos ajudem nessa questão do uso de máscaras. Usem sempre que forem trespassar de moradia”, disse o prefeito em transmissão ao vivo pelas redes sociais nesta quarta-feira, 22 de abril.

A orientação do Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa) é que a população utilize máscaras caseiras, de tecido, e deixe as máscaras cirúrgicas e N95/PFF2 para os profissionais de saúde.

De combinação com a diretora do Devisa, Andrea Von Zuben, um estudo aponta que o uso de máscara faz com que a taxa de transmissão diminua muito. No site coronavirus.campinas.sp.gov.br,  no link de recomendações técnicas, existe um material que ensina porquê fazer a própria máscara.

A Secretaria de Saúde está preparando uma regulamentação específica para o uso de máscaras dos usuários dos serviços de saúde, públicos e privados.



Por , em 2020-04-22 19:18:05


Natividade campinas.com.br



Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero. Clicando agora você ganha mini kit gratuito para imprimir + aula grátis.

Deixe um comentário