Pernambuco vai ampliar produção de máscaras e batas nas unidades prisionais – [Blog da Solange Pereira]

Diante da pandemia do novo coronavírus, a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco lançou uma portaria, no Quotidiano Solene dessa terça-feira (21), autorizando a fabricação de equipamentos de proteção individual (EPIs) em todas as unidades prisionais do Estado que possuírem máquinas de costura.

A produção deve ser de batas impermeáveis, batas descartáveis, máscara em tecido com três camadas feitas em máquinas de costura, máscaras de tecido não tecido (TNT), e máscaras do tipo protetor facial.

>> Coronavírus: sistema prisional em alerta

>> Pernambuco suspende visitante de advogados a detentos por conta do novo coronavírus

Hoje, sete presídios já produzem os equipamentos de proteção. No entanto, segundo a portaria, todas as unidades prisionais que possuírem máquinas de costura deverão produzir as máscaras para suprimento às áreas de saúde e proteção dos profissionais que atuam no sistema prisional.

Segundo o secretário Pedro Eurico, o governo estadual está tentando comprar um número maior de máquinas de costura para confecção dos EPIs. “Queremos ampliar o que for verosímil e o impossível. O Brasil precisa de máscaras, Pernambuco precisa de milhares de máscaras e o sistema penitenciário quer contribuir com esse esforço que está sendo feito no Estado, ” disse.

A confecção das máscaras está sendo realizada com materiais adquiridos pela Secretarias Executiva de Ressocialização e também por doações recebidas de órgãos públicos, empresas privadas, entidades da sociedade social e particulares.

Vale ressaltar que os presos não serão obrigados a produzir as máscaras. A portaria fala em “mão de obra carcerária, de forma voluntária”. No entanto, para atrair o interesse dos detentos, três dias de trabalho abaterão um da pena. “Não podemos obrigar o recluso a fazer, mas estamos sempre conversando com todos eles e está acontecendo uma adesão importante”, afirmou Pedro Eurico.

Presídios

Os presídios de Petrolina, de Salgueiro, de Caruaru, de Santa Cruz do Capibaribe, de Limoeiro, de Igarassu e a Colônia Penal Feminina de Abreu e Lima já produzem EPIs.

Em Santa Cruz do Capibaribe, por exemplo, sete detentos iniciaram a produção diária de 200 batas descartáveis, em TNT, para serem utilizadas pelos profissionais do Real Hospital Português. A parceria com a executiva tem porquê contrapartida a doação da matéria-prima pelo hospital.

Já no Presídio de Salgueiro (PSAL) dois reeducandos trabalham na sala da direção, cedida temporariamente para as costuras, e fazem 40 unidades por dia. Em Igarassu (PIG), 16 detentos costuram 200 máscaras todos os dias.

Na Penitenciária Doutor Edvaldo Gomes (PDEG), em Petrolina, e na Colônia Penal Feminina do Recife (CPFR), no Talento do Meio, são 26 detentos trabalhando na confecção de quase milénio máscaras de proteção. Somente a PDEG já totalizou em torno de seis milénio entregas a unidades de saúde do Vale do São Francisco.

A Penitenciária Juiz Plácido de Souza, em Caruaru, entregou, durante o período em que produziu, 2.150 máscaras protetoras em acetato a instituições de saúde do município.



Por , em 2020-04-22 10:22:00


Nascente jc.ne10.uol.com.br



Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero. Clicando agora você ganha mini kit gratuito para imprimir + aula grátis.

Deixe um comentário