O perigo que virou oportunidade de renda e alívio no orçamento – [Blog da Solange Pereira]

A crise causada pelo Coronavírus está deixando um enorme estrago na economia. Empresas fechando as portas, pessoas desempregadas e outros efeitos negativos já são registrados. Mas há quem tenha encontrado nessa loucura toda uma oportunidade de fazer negócios, complementar a renda e até investir em outro ramo com a premência do uso de máscaras. Um grande número de pessoas está confeccionando os itens para atender a demanda que surgiu.

É o caso da vendedora Rosemara Bertolini (29). Funcionária de uma livraria, ela resolveu confeccionar algumas máscaras para uso da família. O modelito chamou atenção e despertou interesse de mais pessoas, acabando por render uma grana extra. Feitas em algodão, elas custam entre R$ 6 e R$ 7, dependendo do padrão e tamanho. O numerário inesperado está valendo a pena.

“Uma vez que eu trabalho o dia inteiro, consigo somente confeccionar à noite. Em média de 15 a 20 por noite”, relata ela, explicando que cada máscara leva em torno de 15 minutos para ser confeccionada, com material em algodão e todos os cuidados com higiene: o material é lavado antes e cada máscara passada a ferro quente depois de pronta.

Da entrega de marmitas à fabricação de máscaras

Desde que o primeiro caso de Coronavírus foi confirmado no Brasil, a fabricação de máscaras de proteção deu um grande salto. Estudo feito por uma plataforma de verificação de preços no país, a Consulta Remédios, mostrou que somente as cirúrgicas, voltadas ao segmento de profissionais da saúde, aumento o volume de fabricação em venda em 1.800%. Ainda não há dados estatísiticos sobre as máscaras fabricadas em graduação não industrial, mas o mercado dos pequenos que começaram a faturar com a fabricação do ítem é visível.

Há, inclusive, quem mudou de ramo, ainda que momentaneamente, buscando uma novidade manadeira de renda nas máscaras. A empresária Luciana Dias Torresani (43) produz marmitas fitnnes congeladas para pessoas levarem ao trabalho. Com a paralisação de boa segmento das empresas e o decreto de isolamento social que obrigou os clientes a ficarem em lar, ela viu as encomendas despencarem. Mal imaginava que uma publicação em sua rede social seria a porta ocasião para faturar com um novo negócio.

“Fiz um conjunto desses para mim e postei de bobeira. Aí me pediram. Eu não tinha a mínima intenção de costurar. Mas foi uma loucura: pedidos, pedidos e pedidos”, relata ela.

Luciana identificou ali que poderia faturar muito e comprou uma máquina de costura para dar conta da demanda.  Os pedidos cresceram mais e mais. Em cinco dias, ela produziu 80 conjuntos formados por máscara e tira de afixação.

“Tenho vendido bastante para todos os públicos.  As mães estão procurando muito para as crianças. Uma porque elas não querem usar, portanto fui detrás de estampas divertidas”, frisa ela.

Ainda sobre os números de vendas de máscaras, outro levantamento de dados feito por um aplicativo de farmácias (APP Farmácias) mostrou no início do mês que a venda de máscaras no país cresceu 117% neste período de pandemia. Em verificação om 2019, o faturamento subiu 113%.

Uma boa notícia para os novos empreendedores do negócio porquê a Luciana, a Rosemara e tantos outros que enxergaram na pandemia uma oportunidade de inventar a renda ou até mesmo dar vida a um promissor negócio.

Colaboração: Josiani da Cruz



Por , em 2020-04-22 14:10:25


Manancial rc.am.br



Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero. Clicando agora você ganha mini kit gratuito para imprimir + aula grátis.

Deixe um comentário