Com produção de colchões parada, ApoloSpuma produz máscaras para doar – [Blog da Solange Pereira]

Equipe da ApoloSpuma com as máscaras para doação (Foto: Divulgação)

Com as máquinas paradas há quase 30 dias, a fábrica ituana Colchões ApoloSpuma passou a produzir máscaras de proteção para doar para hospitais, prefeituras, abrigos, asilos e outras entidades. Desde o início da pandemia do covid-19, a empresa já entregou tapume de 20 milénio máscaras e centena colchões hospitalares, principalmente para leitos de UTIs.

A doação foi uma forma encontrada pela ApoloSpuma, fundada há 53 anos, em Itu, de ajudar a comunidade a cruzar esse período tão crítico e, ao mesmo tempo, de inspirar outras empresas e pessoas a participarem do combate ao vírus.

A teoria de produzir
máscaras partiu do fundador José Carlos Christofoletti, 77, o seu Zito,que, preocupado
com a falta de máscaras, sugeriu o uso do TNT (tecido não tecido), uma
matéria-prima muito utilizada na fabricação de colchão, para produzir esses
protetores faciais.

A equipe de costureiras da ApoloSpuma, liderada por Rosemeire Leite dos Reis, encampou a teoria. No dia 26 de março, algumas máquinas de costura foram religadas e adaptadas para principiar a costurar as primeiras máscaras, com todos os cuidados necessários.

Os protetores são produzidos seguindo as orientações da Anvisa(Filial Pátrio de Vigilância Sanitária) que, diante da atual pandemia, suspendeu temporariamente a urgência de certificação.

A ApoloSpuma é hoje uma das dez maiores fabricantes de colchões e de espumas industriais do país. Antes da crise, produzia tapume de 3.000 colchões por dia, que tinham porquê direcção o mercado pátrio ou países vizinhos. Com o transacção e as fronteiras fechadas, os tapume de 350 colaboradores entraram em férias coletivas pela primeira vez em 53 anos de história da empresa.

Desde que começou a produzir os primeiros colchões, costurados a mão e entregues de porta em porta carregados em uma carroça, a ApoloSpuma já passou por muitas crises, de altas repentinas do dólar a incêndios, mas nunca viveu um tanto tão crítico quanto esta crise do coronavírus.

Desde o início da pandemia, a empresa adotou medidas de segurança. Afastou os profissionais que se enquadravam na zona de risco, adotou turnos de trabalho mais espaçados, passou a medir a temperatura de todos os profissionais, incentivou o uso de álcool em gel e de máscaras. A expectativa da empresa é de que a recuperação será gradual e virá a longo prazo, e que o importante agora é todos se cuidarem.

Por , em 2020-04-22 16:18:00


Nascente jornalperiscopio.com.br



Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero. Clicando agora você ganha mini kit gratuito para imprimir + aula grátis.

Deixe um comentário