Orla é moradia de africano artesão que sonha em escrever um livro – Comportamento – [Blog da Solange Pereira]

Camu vive há pelo menos dois anos na Orla Morena. (Foto: Paulo Francis)

Há onze anos em Campo Grande e dois na Orla Morena, Camurupim, porquê é espargido, fez do interceptação da Avenida Noroeste com a rua Antônio Maria Coelho, seu lar. Muito antes de entrar na voga a estampa “virente militar”, ele já usava a cor no macacão que combina com a botina e o chapéu de pele. De origem africana, o nome é o mesmo de registro, e veio de alguma etnia do continente de origem. Na “palhoça”, porquê labareda sua vivenda, expõe mais de 15 filtros dos sonhos, de todos os tamanhos e cores. Mas ele garante que a especialidade das mãos de artesão queimadas do sol são os insetos feitos de fio de ferro. Durante a conversa, ele terminava um escorpião.

Publicado por “Camu” pelos moradores da Vila Planalto, quem passa de carruagem ou para no sinaleiro que fica na sua varanda, o cumprimenta e reconhece. “Falem muito desse faceta, ele é um patrimônio do bairro”, grita um motorista. O restaurante que costuma comprar marmitex estava fechado hoje. Ele olha para o pulso e no relógio marca 15h21. Camu ainda não havia almoçado.

O chapéu faz sombra na expressão marcante de Camu que mesmo na rua não dispensa o uso da máscara. (Foto: Paulo Francis)
O chapéu faz sombra na frase marcante de Camu que mesmo na rua não dispensa o uso da máscara. (Foto: Paulo Francis)

A pandemia do novo coronavírus também afetou seus dias, há pelo menos um mês. De máscara no pescoço, Camu escuta as notícias sobre a pandemia pelo rádio de um colega, também morador de rua, que às vezes vem visita-lo. “Tem sido dias ainda mais difíceis. Mas não é de hoje e nem dessa semana. Desde que o Itamarati desembarcou com os 18 passageiros vindo da China no Brasil, não vendi nenhum artesanato”.

Camu não unicamente reconhece o Ministério de Relações Exteriores e muito menos entende unicamente de política. Durante a conversa, explica a diferença de animais peçonhentos e não-peçonhentos e sonha um dia em grafar um livro.

“Logo mais eu quero grafar um livro, chamado “brinquedo de muchacho pobre”. Contaria tudo sobre a vida, não só a minha, e ia mostrar que todo mundo é igual”.

Artesanatos de Camu são filtros dos sonhos e insetos de arame e plástico. (Foto: Paulo Francis)
Artesanatos de Camu são filtros dos sonhos e insetos de arame e plástico. (Foto: Paulo Francis)

Além de política, biologia e literatura, Camu explica para o companheiro haitiano que chega para cumprimenta-lo, qual a diferença entre um jornalista e um repórter fotográfico. “Eu falo um pouco de francesismo, ele é haitiano, mora logo ali embaixo”, explica. Para se referir a Paulo, fotojornalista da equipe, conta ao companheiro que não desempenha o mesmo papel que um jornalista. “Jornalista manda a material para o jornal, conversa com as pessoas. Ele não, ele é repórter fotográfico, esse é o traço de frente. Qualquer risco, ele que corre. É porquê o Tim Lopes, que era jornalista. O repórter fotográfico vem antes dele tirar a foto”.

Durante dois anos Camu diz que morou em hotéis próximos ao sítio onde fica hoje. Com o aumento do valor das diárias, teve de se mudar para rua.

“Pagava R$25 por dia no quarto mas começou a subir, foi para R$50, daqui a pouco R$60, eu falei “ah não, vou ter que ir para rua”.

Durante o dia, ele expõe o artesanato na lajeada e à noite monta uma barraca de lona maior, para se proteger do indiferente.

Indiferente é um dos aprendizados na lista de Camu. Numa semana em que a temperatura chegou aos 14ºC na Capital, a estratégia dele é utilizar papelão e plástico porquê abrigo.

“Vou sobrevivendo ao indiferente. Já enfrentei -1ºC cá. Existe só uma coisa para fazer: pegar papelão e plástico. Papelão não deixa entrar umidade e plástico ajuda a esquentar. Só”.

Origens – Camu conta que nasceu na África e veio para o Brasil com a mãe. Trabalhou na Marinha, em São Paulo, porquê mecânico naval e diz que viajava o mundo nas embarcações. Depois ter um rebento, hoje com 26 anos, a mãe decidiu voltar com o bebê de unicamente quatro meses à era para o país de origem. “Depois de um tempo minha mãe voltou com ele. Fazer o que, se ela gosta de lá não posso fazer zero. Minha mãe só pediu para eu fazer um rebento para ela levar para lá e permanecer com ela. Ele nasceu cá e foi criado lá, ao contrário de mim. Eu nasci lá e fui criado cá no Brasil. Pelo menos lá ele tá seguro, num lugar sem doença”, se referindo ao coronavírus.

Mãos queimadas pelo sol não impedem cuidados com aparência: anéis, relógio e chapeu de couro. (Foto: Paulo Francis)
Mãos queimadas pelo sol não impedem cuidados com ar: anéis, relógio e chapeu de pele. (Foto: Paulo Francis)

Quanto à esposa dele, conta que comprou uma loja, também de artesanato, depois trespassar da Marinha. Hoje sem família em Campo Grande, os dois se separaram quando ele descobriu que ela se relacionava com seu irmão. “A mãe do meu rebento? Dei uma loja pra ela numa galeria na 25 de março, porque até portanto ela mereceu. Depois ela errou, ela quem adulterou o enlace com meu próprio irmão de sangue. Mas tudo muito, fazer o que. Eu sou potente, continuo tombando mas não caio”.

Se pudesse, Camu afirma que teria a própria loja de artesanato. É seu segundo sonho, depois de grafar um livro.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma tarifa bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: [email protected] ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Camu não vende uma peça de artesanato desde o começo da pandemia do novo coronavírus. (Foto: Paulo Francis)
Camu não vende uma peça de artesanato desde o prelúdios da pandemia do novo coronavírus. (Foto: Paulo Francis)



Por , em 2020-04-17 08:30:00


Manancial www.campograndenews.com.br



Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero. Clicando agora você ganha mini kit gratuito para imprimir + aula grátis.

Deixe um comentário