Jundiaienses começam a produzir máscaras caseiras – [Blog da Solange Pereira]




Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero – entrando agora ganhe Moldes grátis para imprimir + aula de teste.

Com as novas orientações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial (OMS) quanto a liberação do uso de máscaras de tecido, de tecido ou de TNT, jundiaienses começaram a produzir máscaras para vender para amigos ou conhecidos ou até mesmo para doar para trabalhadores da saúde.

O reformado Eusébio dos Santos, de 63 anos, ao lado da sua esposa, a modista Neusa Statuti, de 57 anos, começou a confeccionar máscaras com o objetivo de doar aos profissionais de saúde. “Estamos produzindo para doar kits com quatro máscaras cada para o Hospital São Vicente e para a Unidade Básica de Saúde (UBS) do nosso bairro, o Tulipas”, conta Santos.

Segundo o reformado, são produzidos por dia murado de 50 kits, mas no início dos trabalhos o parelha achou que seria fácil. “A falta de alguns produtos nos deixou preocupados. Buscamos a risca no Celmi (Núcleo de Instrução e Lazer para Melhor Idade) pois participamos de patchworks lá, mas os elásticos não. Assim estamos fazendo com tirinhas. A falta de alfinetes dificulta ainda mais a costura”, descreve o reformado. E completa. “Estamos utilizando também rolos de TNT, obedecendo as condições de limpeza. A gente segue todas as orientações do Ministério da Saúde”, completa.

A artesã Bruna Valeska Moreira de Souza trocou o seu modo de trabalho. Em vez de realizar encomendas para bebês agora costura máscaras faciais caseiras. O item que agora se tornou necessário para uso pessoal se tornou o seu ganha-pão. “Esse mês eu consegui remunerar a prestação do apartamento e o meu marido assumiu as outras despesas da nossa residência”, detalha.

A produção de Bruna começou há três semanas. Inicialmente era unicamente para o seu marido, o técnico eletrônico Davi Gustavo de Souza, usar no trabalho. “A fábrica que ele é funcionário não parou na quarentena logo eu resolvi fazer para proteção dele, pois ele viu alguns chineses usando”, diz.
Segundo Bruna, o uso das máscaras foi recomendado pelas autoridades unicamente para as pessoas que não tivessem nenhum sintoma, mas mesmo assim ela resolveu fazer para seu marido. “Ele usou no trabalho, o pessoal viu e gostou. Recentemente ele fez divulgações no grupo onde moro e comecei a produzir”, afirma.

Mãe de uma bebê de quatro meses, ela leva de sete a oito minutos para deixar pronta uma máscara. “Já cheguei a fazer 50 em um dia com a ajuda de toda a família”, lembra.  Além do seu marido e a bebê, Bruna mora com as outras duas filhas, de 5 e 10 anos. Suas máscaras podem ser bordadas e as encomendas chegam de todo o país. “Recebo de quase todo o Brasil, principalmente de SP, RJ, MG e PR”, completa.

RECOMENDAÇÕES
Segundo o Ministério da Saúde a máscara é individual e não pode ser dividida com outra pessoa. Ela deve ser usada por murado de duas horas e depois é necessário a troca. O ideal é que cada um tenha pelo menos duas máscaras de tecido para seu uso.

Segundo o órgão federalista a máscara serve de barreira física ao vírus da covid-19, por isso, é preciso que o objeto tenha pelo menos duas camadas de tecido (dupla face).

A máscara deve ter elásticos ou tiras para amarrar supra das orelhas e inferior da nuca. Desse jeito, o tecido estará sempre protegendo a boca e o nariz e não restarão espaços no rosto. O objeto somente deve ser usado sempre que a pessoa transpor de lar. É recomendável sempre estar com pelo menos uma de suplente e levar uma sacola para vigiar a máscara suja, quando for necessária a troca Ao chegar em lar, quem usou deve lavar as máscaras usadas com chuva sanitária e deixar o objeto de molho por murado de dez minutos.

 

Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/jundiaienses-comecam-a-produzir-mascaras-caseiras/

Por , em 2020-04-07 05:32:00


Nascente www.jj.com.br



Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero. Clicando agora você ganha mini kit gratuito para imprimir + aula grátis.

Deixe um comentário