Com ajuda da neta, costureira de 87 anos, fabrica máscaras para combater coronavírus: ‘Vamos doar para vulneráveis’ – Revista Marie Claire – [Blog da Solange Pereira]




Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero – entrando agora ganhe Moldes grátis para imprimir + aula de teste.

Renata e Dona Bernarda (Foto: reprodução/instagram)

Renata e Dona Bernarda (Foto: reprodução/instagram)

A bióloga, recém formada engenheira social, e professora do curso técnico em edificações, Renata Costa, moradora de Santa Quitéria, uma cidade com menos de 30 milénio habitantes no interno do Maranhão, viralizou depois que compartilhou um vídeo da avó Bernarda Alves da Costa, de 87 anos, costurando máscaras cirúrgicas para serem distribuídas de forma gratuita para a vizinhança e população do município para se protegerem do coronavírus.

Oi gente! Essa é minha avó, que tem 87 aninhos e se labareda Bernarda Costa. Ela está cá confeccionando máscaras para doação. Pois já não encontramos mais no mercado para venda. Inclusive álcool gel também. Portanto teve a teoria de fazer com TNT e elásticos, mas nossa produção ainda é pouca, devido a idade dela. Mas vamos produzindo. Vamos doar para pessoas vulneráveis cá do bairro. Peço que quem puder faça o mesmo, é fácil e prático de fazer”, escreveu na legenda de em um vídeo que divulgou em suas redes sociais que já acumula mais de 8 milénio curtidas no dia da publicação da material.

Em conversa com a Marie Claire, Renata disse que na cidade onde vive o suprimento desse material já não existe mais e por conta da pandemia do coronavírus, começou a se preocupar. “A situação tomou uma proporção grande no Brasil. Se não forem tomadas as precauções e forem feitas as prevenções, o número de casos vai aumentar. Na minha cidade só tem um leito de hospital. Não tem UTI. Só que com esse caso de coronavírus que a gente espera não chegar cá na cidade, vai ser muito preocupante porque cá tem bastante idosos e não tem leito de UTI”, ressaltou.

Ela contou que médicos da cidade vizinha, chegaram a pedir que voluntários confeccionarem as máscaras, uma vez que o estoque não era suficiente para a equipe e para a população. Portanto, foi indicado qual tecido comprar, uma vez que impermeabilizá-lo e por término, uma vez que fabricá-las. E foi em meio as notícias preocupantes do desenvolvimento do número de pessoas infectadas pela COVID-19 no Brasil e no mundo, que ela teve a teoria de fabricar os objetos e para isso, convocou sua avó. “Depois que eu fui orientada, comprei o material e falei para a minha avó: “Vó se eu trinchar e impermeabilizar, a senhora costura para mim? Eu não sei costurar. E ela falou: Eu costuro sim, mas a gente vai ter que doar para os nossos vizinhos também que são idosos”. A gente fez e doou e foi quando eu decidi gravar (o vídeo divulgado em suas redes sociais) para mostrar a atitude dela em se preocupar não só com ela, mas também com outras pessoas e incentivar a minha cidade a produzir também,” falou.

Dona Bernarda  durante o processo de produção das máscaras (Foto: reprodução/instagram)

Dona Bernarda durante o processo de produção das máscaras (Foto: reprodução/instagram)

PROCESSO DE PRODUÇÃO

Renata conta que apesar do material para confeccionar as máscaras ser barato, sua requisito financeira ainda era uma barreira para aumentar o volume da fabricação do secundário. Ela revelou que atua uma vez que professora do curso técnico em edificações em Parnaíba, no Piauí e que está com o salário procrastinado e que isso era uma das dificuldades para continuar na atividade. “Mas a produção não pode parar. A gente ganhou 100 reais de doação de um professor e foi convertido todo em material. Eu e a minha amiga tomamos primeiro e fomos de porta em porta pedindo o material, porque a gente não tem moeda. Eu não cheguei a receber o meu salário, porque está tudo quebrado, portanto não tenho moeda. Com a verba que conseguimos de doação, a gente comprou o material, e com o que sobrou a gente vai impermeabilizar, trinchar e mandar para as famílias, para eles próprios confeccionarem. Nós já estamos ensinando uma vez que fazer”, relatou.

Ela não esperava, mas a confecção das máscaras tomou uma proporção tão grande que teve que racontar com o pedestal demais duas costureiras para manter a demanda. “Muitas pessoas começaram a me pedir máscaras e ela não estava dando conta. E a gente não sabia mais o que fazer. Graças a Deus apareceram mais umas duas costureiras para ajudar, mas elas também começaram a não dar conta”, disse.

A solução portanto foi ensinar às pessoas que chegavam até ela para pedir.

A moradora de Santa Quitéria contou que por dia dona Bernarda chega a costurar de 20 a 30 máscaras, mas, a produção pode tombar por conta da sua idade avançada. “A minha avó costura de 20 a 30 máscaras por dia. Tem mais de milénio cortes, mas a gente ainda não sabe se estão todas costuradas para a gente se organizar e doar. A gente vai partilhar as máscaras cá na cidade, para as pessoas vulneráveis. O foco agora é ensinar as pessoas a fazerem ou virem buscar as máscaras impermeabilizadas para elas mesmas confeccionarem. Nós não vamos vender máscaras. A intenção não é vender máscaras. De maneira alguma. A intenção não é essa,” avisou.

A AVÓ

Dona Bernarda Alves da Costa, pode não ter noção da dimensão que sua boa ação tomou, mas já contagiou muitos internautas. Renata fala da avó com carinho e relata que a costura sempre esteve presente em sua vida e não tem pressa para entregar suas encomendas. “É o tempo dela”, lembra a neta.

A bióloga diz que ela sente prazer em ajudar e que costura por hobby, mesmo com dificuldade de enxergar, ela segue fazendo o que tem prazer. “Ela gosta de costurar e fazer as coisinhas dela dentro de moradia. Ela cria penosa. Mulher… Ela é uma pessoa jovem pra idade dela. Ela costura por hobby, ela passou a juventude dela costurando, mas hoje, ela já não enxerga tão muito. Ela pede para a gente colocar risco na agulha dela e ela fica ajeitando as nossas roupas. Quando calção do meu irmão rasgou, ela costurou. É o que ela gosta. Por isso que eu pedi a ela,” finalizou.

RECADO

Dona Bernarda é um exemplo não só de condolência, mas também de obediência. Por meio das redes sociais da neta, ela mandou um recado para os brasileiros.

Não saiam de moradia e que Deus proteja a nós todos. Eu não estou saindo de moradia. Estou pedindo proteção ao que os médicos estão fazendo”, disse.

Assista:

Você já acessou o Beauty Tudo hoje? Todos os dias tem uma avaliação novidade de resultado na mais diversa plataforma de formosura do país.



Por , em 2020-04-06 22:38:00


Manadeira revistamarieclaire.mundo.com



Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero. Clicando agora você ganha mini kit gratuito para imprimir + aula grátis.

Deixe um comentário