Polo de Confecções quer fazer, máscaras, avental e jaleco para quem atende paciente da covid-19 – [Blog da Solange Pereira]




Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero – entrando agora ganhe Moldes grátis para imprimir + aula de teste.

Por Fernando Castilho do Jornal do JC Negócios.

O que começou de forma improvisada, depois uma mobilização social, a partir da produção de máscaras por diversas instituições públicas e privadas no Estado e que foi crescendo a partir da produção de escudos faciais (faces shields), em impressoras 3D, pode virar um novo negócio com a produção de milhões de máscaras mais completas e até mesmo uma risca de aventais de uso hospitalar dentro de padrões exigidos pelas normas da ABNT.

E tudo isso usando as máquinas de costura hoje paradas no Polo de Confecções de Pernambuco liderado pelos municípios de Caruaru, Toritama e Santa Cruz do Capibaribe.

Está começando uma conversa entre os empresários do setor, no sentido de aproveitar a oportunidade que a epidemia da covid-19 inicialmente trás para suprir a rede pública de Pernambuco e, a seguir, outros estados.

Nesse sentido, os empresários estão se propondo a usar sua expertise da produção de roupas nos três municípios e se tornar fornecedor regular desses itens para o governo, hospitais privados e instituições de base porquê clinicas e hospitais e demais estados que também enfrentam a falta desses equipamentos de proteção individual. Por que já se sabe que tudo nesse negócio se conta em milhões.

A proposta é reorientar uma secção do parque de máquinas para um programa que vá muito além das doações feitas voluntariamente. A proposta é passar a atender as necessidades do Governo de forma que as máquinas de costura sejam usadas para produzir mascares e uma risca completa de aventais e até jalecos de uso nos hospitais.

Primeiro, porque o governo de Pernambuco pode ser o primeiro comprador e, segundo, porque existe um mercado regional e até pátrio para ser atendido.

O presidente da Rota do Mar, maior empresa do setor de confecções de Santa Cruz do Capibaribe, Arnaldo Xavier, está participando das conversas e disse que a proposta interessa a vários empresários depois que ficou evidente que a China não vai fornecer tudo que o Brasil vai precisar porquê por exemplo marcaras.

Aliás, a experiencia internacional mostra que nos hospitais o uso de aventais descartáveis e reutilizáveis terão números gigantescos de atendimento daí porque o setor vê uma oportunidade de reorientar seu parque e ajudar a produzir esses suprimentos.

A prefeita de Caruaru, Raquel Lira, está nessa conversa. Ela vem conversando sobre o matéria com empresários do setor da sua cidade para que além da ação filantrópica inicial Caruaru tenha a produção de roupas de todos tipos reorientada para a novidade demanda.

Ela se juntou a Universidade Federalista de Pernambuco no Meio Acadêmico do Bravio (UFPE-CAA) e com Arrecadação da Originalidade para produção de escudos faciais (faces shields)

Raquel Lira também ajudou a realizar reunião online dos representantes da Feira da Sulanca e o presidente da Associação Brasileira de Indústria Têxtil (ABIT), Fernando Pimentel, empresários e entidades ligadas ao setor de confecções sobre porquê seria verosímil adequar o resultado lugar às normas da ABNT (Normas Técnicas).

A prefeita também está conversando com o Sebrae para um projeto de capacitação de empresas para confecção de equipamentos de proteção individual (EPIs) e itens afins no segmento médico-hospitalar.

Até para que eles vejam as possibilidades de vender para setor público e exportação, passando pela qualificação envolvendo os processos produtivos necessários.

Arnaldo Xavier, entretanto, alertou aos seus colegas que produzir EPI para zonas quentes hospitalares numa situação de epidemia, é um repto. Ele defende que as empresas entrem com sistema de produção lentamente e obedecendo as exigências de segurança da OMS.

De certa forma, diz o empresário, a Covid19, pelas necessidades gigantescas, pode ser uma oportunidade para atender ao governo do Estado, ao Ministro da Saúde e o varejo em universal. Principalmente no ítem máscaras que tende a ser obrigatório par aquém trespassar às ruas.

Xavier acredita que se o setor se estruturar Pernambuco pode atender aos estados vizinhos. Naturalmente usando os devidos cuidados, evitando aglomerações dentro das fábricas e seguindo as recomendações.

Do ponto de produção as empresas do Bravio têm porquê se adequar rápido. O Senai Têxtil que estruturou um caderno de normas, o NTCPE caderno técnico das máscaras aprovadas, disponíveis no site www.ntcpe.org.br.

O problema e fazer os empresários começarem a vender para o Estado. Para um setor que nunca teve qualquer relacionamento mercantil com nenhum órgão do governo, a teoria de vender para a Secretaria de Saúde ainda tem resistências.

E embora o Comitê do Enfrentamento ao Coronavírus com a AD-Diper tenha reservado interesse numa garantia de suprimentos locais não serão todos os empresários que vão entrar.

O governo de Pernambuco diz que vai remunerar tudo em pequeno prazo. Porquê fez com a indústria farmacêutica que produzirá álcool gel com o Carnabol importado da China diretamente pelo Estado e repassá-lo à rede pública para façam álcool gel.

LEIA MAIS TEXTOS DA COLUNA JC NEGÓCIOS



Por , em 2020-04-02 22:00:00


Manadeira jc.ne10.uol.com.br



Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero. Clicando agora você ganha mini kit gratuito para imprimir + aula grátis.

Deixe um comentário