Comerciantes santistas aderem à quarentena com criatividade e adaptações – [Blog da Solange Pereira]

Novas formas de atendimento aos clientes e readequação da produção estão entre as soluções encontradas por comerciantes de Santos que tiveram de suspender temporariamente as atividades em lojas físicas devido à pandemia de covid-19.

Iniciada em 22 de março, a quarentena decretada pelo Governo do Estado e complementada pelos municípios da Baixada Santista está mantida até 10 de maio, quando haverá avaliação sobre uma reabertura gradual do transacção, conforme a disponibilidade de leitos hospitalares em cada região.

“Não há movimentação nas ruas. As pessoas estão com terror. Aquelas que não foram infectadas vêm buscando se resguardar”, avalia José Luiz Tahan, proprietário de uma livraria no Gonzaga. Para ele, o impacto sobre a economia ocorrerá independentemente das medidas restritivas tomadas pelo poder público. “É uma questão de calamidade. Não há registros recentes de um pouco parecido no mundo. Estamos em um momento de perdas e precisamos de ações criativas para minimizá-las”.

Em adaptação à quarentena, Tahan passou a atender os clientes por telefone e pela internet. “Entrego os livros na mansão dos leitores, com a embalagem higienizada”, conta, defendendo a adesão ao isolamento social. É preciso respeitar as restrições e, no caso do empreendedor que puder, preservar ao supremo as equipes. Dispensei todo o meu quadro de funcionários, pagando salários integrais e aguardando a passagem desse período”.

Atendimento em habitação

Proprietária de lojas de voga feminina com confecções próprias em centros comerciais do Gonzaga e do Boqueirão, Marcela Marçal vem se deslocando pela Cidade para que as clientes possam provar as peças em mansão. “Tem valido a pena. Dá um pouco mais de trabalho, mas já nos permite remunerar algumas das contas”.

Embora demonstre preocupação com a manutenção do transacção, ela entende que a quarentena é necessária “por questão de saúde pública” e diz que aguarda as definições das regras para a retomada gradual das atividades. “Teremos que reabrir e reencetar, com uso de máscaras e álcool gel”.

Adaptação ao mercado

No caso de Bárbara Padovani, dona de um ateliê onde produz roupas, bolsas e carteiras personalizadas para mulheres, a adaptação foi além da forma de comercialização. Uma vez que a confecção das peças exige o contato direto com as clientes para verificação das medidas, a produção teve que ser totalmente interrompida.

Todavia, por meio de uma conta em rede social para divulgação de comerciantes, ela identificou uma grande demanda por um dos acessórios mais procurados no momento: máscaras de proteção para o rosto. “Tive que me harmonizar para remunerar as contas. Tem havido bastante procura”, explica, relatando que mantém a renda produzindo itens estilizados para os públicos feminino, masculino e infantil. “A pessoa pede e eu adapto”.

Também sob expectativa da retomada gradual dos atendimentos presenciais, ela crê na eficiência das medidas de quarentena. “Parece que está dando visível porque os casos não estão crescendo uma vez que estavam projetando. Enquanto isso, as pessoas estão se reinventando”.

Crítico cria espaço para divulgação de serviços on-line

Com 5 milénio seguidores, uma conta recentemente criada na rede social Instagram (juntossomosmaisfortes013- https://instagram.com/juntossomosmaisfortes013?igshid=1nj09z3rqtvus) vem servindo de vitrine gratuita para muitos empreendedores santistas que ainda não estavam familiarizados com a divulgação virtual do próprio trabalho.

A iniciativa partiu da exegeta de finanças Lila Rey. “Minha mãe é negociante e muitos deles entraram em choque quando veio a notícia da quarentena. As pessoas possuíam informações publicadas na internet, mas espalhadas ou em espaços que precisariam remunerar. Logo, nossa página virou um catálogo”.

Segundo ela, a teoria é “estrebuchar no delivery”. “Uma peixaria que nunca teve entrega, depois que anunciou, não parou mais. Uma empresa de vinhos nos passou um relato muito emocionante, de que já conseguiu vender todos os kits para o Dia das Mães. Um outro, com uma única postagem, zerou o estoque de pastel de feira”.

A exposição de serviços na página, conta Lila, gera negócios inclusive entre os próprios anunciantes. “Alguns estão vendendo tecido para quem produz máscaras, e já são mais de 30 confeccionando”, conta, mencionando beneficiados de diversificadas áreas, de conserto de chuveiros a transporte de coche. “Uma moça (motorista de aplicativo) nos procurou pedindo auxílio. Fizemos uma ação de ovos de chocolate. Ela entrou em contato com os vendedores e trabalhou a Páscoa inteira”.

Em relação à pandemia, Lila se diz convicta da urgência da quarentena. “Tenho família na Espanha (um dos países mais afetados pela pandemia) e amigas médicas que conversam comigo todos os dias. Elas me contam casos graves não exclusivamente de hipertensos ou idosos, mas também de jovens. Entendo que a situação é muito séria. Se não for respeitado (o isolamento social), daqui a 15 dias veremos o resultado. As pessoas precisam pensar no coletivo”.

Para facilitar a população que segue em mansão, a conta no Instagram tem divulgado vídeos gravados por profissionais de ensino física com orientação sobre treinos possíveis no próprio lar.

O trabalho voluntário de divulgação, Lila realiza em parceria com a profissional de marketing Heloísa Campagnolli, responsável atualmente pelas novas inserções de contatos de comerciantes.

Cantor aposta em rifa para manter renda e cachê de músicos

Com mais de duas décadas de palco, o cantor e compositor Ederson Santhos encontrou uma forma de recolher fundos durante o período em que se encontra impedido de realizar apresentações públicas: uma rifa on-line, tal qual vencedor será contemplado com uma apresentação privado posteriormente a volta à normalidade – disponível nos perfis que mantém nas redes sociais (https://www.facebook.com/EdersonSanthos/).

“Quando tudo isso passar, a pessoa vai ter a oportunidade de comemorar com um show. Terá uma data minha, na mansão dela ou onde entender que é adequado. Pode ser até em um quintal”, diz o músico, contando com o reconhecimento dos fãs. “O público conhece e respeita meu trabalho e torce para que esse seja um momento delicado para mim”.

Segundo ele, o valor arrecadado beneficiará também os cinco integrantes da filarmónica que o acompanha nos sambas que classifica uma vez que “clássicos”. “Essa paralisação atinge todos os artistas. Dentro da meta estipulada na rifa está incluído o cachê para essa apresentação”.

Uma vez que forma de entreter o público que se encontra em isolamento social, Santhos tem realizado as chamadas lives, cantando ao vivo pela internet e ressaltando a preço de a população permanecer em mansão nesse momento. “É fundamental, questão de vida ou morte. As pessoas precisam se preservar, inclusive pra que a gente possa voltar o quanto antes a ter uma vida normal”.



Por , em 2020-03-22 04:00:00


Manadeira www.diariodolitoral.com.br



Clique aqui e saiba mais sobre o Super Kit de Moldes + Curso de Costura do Zero. Clicando agora você ganha mini kit gratuito para imprimir + aula grátis.

Deixe um comentário